Coesão e coerência


Daniela Diana
Revisão por Daniela Diana • Professora licenciada em Letras
Escrito por Pedro Menezes

A coesão refere-se a estrutura e organização de um texto. Para isso, todas as suas partes devem estar interligadas através de elementos conectivos. Enquanto a coerência remete ao encadeamento lógico de ideias e ao sentido interno e externo ao texto.

Os elementos de coesão visam garantir a ligação entre frases, orações e parágrafos do texto. Um texto coeso não pode ser uma sequência de frases isoladas umas das outras. Assim, elementos anafóricos (remetem ao que já foi dito) e catafóricos (remetem ao que será dito) fazem com que o texto possua uma fluidez e seja compreendido em uma totalidade homogênea.

Já a coerência está relacionada ao sentido do texto. Todo texto é um ato de comunicação e, desse modo, deve fazer sentido para quem envia a mensagem e para quem a recebe. É o chamado nexo, a conexão entre fatos e ideias, fundamental para a coerência textual.

Coesão e coerência, apesar de distintas, possuem uma relação de mão dupla entre elas. A coesão diz respeito às estruturas que compõem a superfície dos textos e que conduzem à construção de uma coerência, um sentido. Enquanto a coerência, é o sentido e a intenção do texto, que deve ser explicitado de uma forma coesa.

Coesão Coerência
Significado Ligação entre as partes que compõem um texto. Utilização de elementos que garantem que o texto possua uma sequência em seus enunciados. Conexão lógica entre as ideias e os fatos. Possibilidade de criação de sentido na mensagem transmitida.
Objetivo Possibilitar melhor compreensão textual por meio das corretas conexões das palavras, das frases, dos parágrafos, etc. Tornar acessível ao destinatário o sentido da mensagem e realizar a comunicação de forma eficaz.
Elementos
  • Anafóricos
  • Catafóricos
  • Elementos linguísticos
  • Conhecimento de mundo
  • Conhecimento partilhado
  • Fatores de contextualização
Exemplos
  • Ana é uma mulher trabalhadora. Ela é sempre a primeira a chegar no trabalho e a última a sair.
    (o termo destacado é um elemento de coesão que impede que o nome seja novamente repetido: Ana é uma mulher trabalhadora. Ana é sempre a primeira a chegar no trabalho e a última a sair.)
  • Para a compreensão total de um texto é preciso ter domínio do contexto:
    - O telefone!
    - Estou no banho!
    - Ok!

O que é coesão?

A coesão é a utilização de estruturas que conferem uma linearidade, que facilita a leitura e constroem um sentido interno ao texto.

Assim, a coesão garante uma harmonia ao texto, possibilitando que o leitor perceba a conexão entre todas as partes do texto e a forma com que as ideias são expostas.

Para isso, lança-se mão de elementos de referência dentro dos textos (endofóricos): as anáforas, que retomam alguma parte anterior do texto e as catáforas, que antecipam o que ainda está por vir.

Exemplos:

  • João e Maria foram aprisionados pela bruxa. Essas crianças foram trancadas em uma gaiola. (anáfora - "Essas crianças" substitui o termo "João e Maria" dito anteriormente).
  • Minhas metas para a vida são estas: plantar uma árvore, ter um filho e escrever um livro. (catáfora - "estas" antecipa a informação que se segue).

O Sol é o astro-rei. Está calor. Fiquei cansado. A cama é o lugar mais confortável da casa.

O que são os mecanismos de coesão textual?

Os mecanismos de coesão textual são elementos utilizados para criar essa harmonia entre as partes presentes dentro dos textos. Eles são classificados em 5 tipos:

1. Coesão referencial

A coesão referencial se desenvolve através de três modos básicos:

  • Pessoal: "A humanidade é masculina e o homem define a mulher não em si, mas relativamente a ele; ela não é considerada um ser autônomo." (Simone de Beauvoir em O segundo sexo) - Os pronomes "ele e "ela" fazem referência aos termos anteriores "homem" e "mulher". (referência pessoal anafórica)
  • Demonstrativa: "Não sou nada. Nunca serei nada, não posso querer ser nada. À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo." (Fernando Pessoa. Alberto Caeiro em A Tabacaria) - "isso" faz referência à informação dada anteriormente. (referência demonstrativa anafórica)
  • Comparativa: "Comandar muitos é o mesmo que comandar poucos. Tudo é uma questão de organização." (Sun Tzu em A arte da guerra) - "mesmo" faz referência a uma equivalência ou igualdade em uma comparação entre os termos "comandar muitos" e "comandar poucos". (referência comparativa endofórica).

2. Substituição

A substituição de um termo por outro de mesmo valor auxilia na coesão e impede a repetição dos termos. Pode se dar em relação aos nomes, como visto anteriormente na referência pessoal anafórica, mas também pode ser:

  • Verbal - Ana Cláudia estudou para a prova do concurso. Mariana fez o mesmo. (a ação de “estudar” é realizada por ambas pessoas, no entanto, na segunda oração, o verbo “fazer” é utilizado como substituto do verbo “estudar”).
  • Frasal - Maria foi ao parque. João também. O termo "também" substitui "foi ao parque".

3. Elipse

A elipse é uma figura sintática que tem como objetivo evitar a repetição de um termo, atua como um elemento de coesão. O termo da elipse é suprimido sem que o sentido se perca, fica subentendido. Assim como a substituição, a elipse pode ser pessoal, verbal ou frasal.

  • Pessoal - Natália não foi bem na prova e ficou triste. Natália não foi bem na prova e (ela) ficou triste - ocorre a elipse do pronome pessoal "ela".
  • Verbal - João Pedro foi para a escola e depois para a academia.
    João Pedro foi para a escola e depois (foi) para a academia. - ocorre a elipse do ver "ir".
  • Frasal - Essa tarde, os estudantes da escola estadual fizeram o vestibular e os da escola particular também.
    Essa tarde, os estudantes da escola estadual fizeram o vestibular e os da escola particular também (fizeram o vestibular). - ocorre a elipse da frase "fizeram o vestibular".

Conjunção

Conjunções são termos que conectam e estabelecem relações entre orações ou palavras. Atuam como elemento de coesão por manter essa conexão entre partes do texto. Existem vários tipos de conjunções, divididos em dois grupos:

  • Conjunções coordenativas - aditivas, adversativas, causais, temporais e continuativas.

Maria era conhecida por ser honesta e competente. (aditiva)
Todos sabiam que era possível, mas alguns duvidavam de sua capacidade. (adversativa)

  • Conjunções subordinativas - integrantes, causais, comparativas, concessivas, condicionais, conformativas, consecutiva, temporais, finais e proporcionais.

Se chover, não vou à praia. (condicional)
Tão logo chegue em casa, envie-me uma mensagem. (temporal)

Coesão lexical

Já a coesão lexical refere-se à repetição (reiteração) ou substituição de um termo por outro com um sentido semelhante. Para isso, além da repetição, recorre-se ao uso da sinonímia, da hiperonímia, do uso de nomes genéricos e da colocação.

Exemplos:

  • Este é meu cão. Já conhecia o animal? (hiperonímia)
  • Sartre disse que estamos todos condenados à liberdade. O filósofo afirmou que sempre teremos que fazer escolhas. (nomes genéricos)
  • Estava tudo pronto para a partida. Os jogadores a postos, as torcidas cantavam. Quando o juiz apitou, a bola rolou. (colocação ou contiguidade é o uso de palavras pertencentes a um mesmo campo semântico).

O que é coerência?

A coerência é a possibilidade de um texto, enquanto evento de comunicação, fazer sentido para a pessoa que o recebe, o usuário.

Para isso, devem estar presentes alguns critérios (lógicos) que dão sentido à totalidade do texto em sua relação com o mundo (externo ao texto). A coerência e o sentido de um texto estão relacionados aos conhecimentos prévios que eles ativam.

Exemplo, considerando a lista a seguir:

Camarão, Amendoim, Leite e Ovo.

A lista não possui uma coerência interna explícita. O que ela quer dizer?

Seu sentido pode estar comprometido pela falta de informação que realize uma ponte entre o que se sabe (os itens da lista) e algum outro conhecimento que fortaleça a mensagem.

Caso a lista possuísse informações como: "Lista de compras", "Ingredientes para o preparo do prato x", "Alimentos que me dão alergia", etc., a coerência seria preservada e o usuário saberia exatamente o seu sentido.

Assim, a coerência tem como objetivo preservar o sentido do texto (o nexo) e garantir que a intenção do emissor da mensagem pode ser recebida e compreendida pelo destinatário.

A coerência diz respeito à visão global do texto, diferentemente da coesão que preza pela estrutura interna dos elementos que compõem o texto.

Princípios da coerência textual

  • Princípio de não-contradição - O texto não deve possuir contradições internas. José é muito alto e baixo. Hoje à noite, vai fazer sol.
  • Princípio de não-tautologia - O texto não deve se repetir, mesmo que com o uso de palavras distintas. João entrou no carro, embarcou na viatura, adentrou o automóvel e partiu.
  • Princípio da relevância - O texto deve possuir uma sequência lógica de eventos relacionados entre si. Hoje, recebi um telefonema muito importante. Apesar de muitos atribuírem ao britânico Graham Bell, o inventor do telefone foi o italiano Antonio Meucci. Logo que atendi, sabia que minha vida mudaria.

Veja também a diferença entre:

Daniela Diana
Revisão por Daniela Diana
Licenciada em Letras pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) em 2008 e Bacharelada em Produção Cultural pela Universidade Federal Fluminense (UFF) em 2014. Amante das letras, artes e culturas, desde 2012 trabalha com produção e gestão de conteúdos on-line.