Tipos de família


Pedro Menezes
Pedro Menezes
Professor de Filosofia

Os diferentes tipos de família estão relacionados à oficialização ou não da união de casais (matrimonial e informal), à presença ou não de um dos pais (monoparental e anaparental) e a outros fatores que influenciam essa organização.

A família é entendida como um grupo de pessoas unido por um laço afetivo. Desse modo, existem diversos tipos, que variam de acordo com sua constituição e organização.

Os principais tipos de família são:

  • Família tradicional ou nuclear.
  • Família matrimonial.
  • Família informal.
  • Família monoparental.
  • Família anaparental.
  • Família reconstituída.
  • Família unipessoal.
  • Família eudemonista.

Segundo a constituição brasileira, a família é a base da sociedade, independente da forma como se configura.

Sendo assim, os diferentes tipos de família variam em suas particularidades, mas têm em comum a função de cuidado e zelo pelos cidadãos no âmbito público e privado.

Tipos de família Características Membros Exemplos
Tradicional nuclear Tipo mais comum de família formado pelos pais e seus filhos.
  • Pai(s)
  • Mãe(s)
  • Filho(s)
Formação básica da família composta por pai, mãe e filhos.
Matrimonial A família matrimonial é legitimada pelo casamento civil.
  • Pai(s)
  • Mãe(s)
  • Filho(s)
Famílias em que os responsáveis são casados legalmente (casamento civil).
Informal A legitimidade se dá pela convivência, sem o que a união do casal tenha sido oficializada.
  • Pai(s)
  • Mãe(s)
  • Filho(s)
Famílias em que os pais possuem uma união estável, não oficializada.
Monoparental Composta por apenas um dos responsáveis, pai ou mãe.
  • Mãe ou pai
  • Filhos
Famílias em que a responsabilidade com os filhos é de apenas um dos pais.
Anaparental Composta sem a presença de nenhum dos pais.
  • Filhos
Famílias sem a presença dos pais, como no caso de irmãos em que os mais velhos cuidam dos mais novos.
Reconstituída Composta pela união de um casal com filho(s) de uma união anterior.
  • Mãe ou pai
  • Madrasta ou padrasto
  • Filhos
Famílias onde pelo menos um dos cônjuges possui filho(s) de uma união anterior.
Unipessoal Composta por apenas uma pessoa.
  • Uma única pessoa
É o caso de pessoas viúvas ou solteiras que vivem sozinhas em uma casa.
Eudemonista União afetiva entre pessoas tendo como princípio a busca pela felicidade.
  • Múltiplas pessoas
Famílias poliamorosas, onde adultos compartilham o afeto e o cuidado das crianças entre si.

Os diferentes tipos de família recebem amparo legal por parte do Estado. O entendimento jurídico de que a família pode possuir diversas formas de configuração, desde que baseadas no afeto entre seus membros.

Família tradicional ou nuclear

A família tradicional é a forma mais comum, compreendida ao longo do tempo, como sendo a formação de um grupo composto por pai, mãe e filho(s).

Família tradicional
A família tradicional, nuclear, é composta pelo pai, a mãe e seus filhos

Dentro dessa perspectiva, a família pode ser entendida de duas maneiras. A partir do casamento legal, civil ou religioso, ou da união estável entre seus membros.

Família matrimonial

As famílias formadas a partir do casamento civil ou religioso, ou seja, do matrimônio, recebem o nome de família matrimonial.

Até a constituição da República de 1988, esse era o único tipo de família reconhecido efetivamente pela lei. Após a publicação de da Constituição de 1988, o conceito de família foi sendo alterado e passando a abranger outras formas de organização familiar.

Atualmente, esse tipo de formação pode abranger tanto os casais heterossexuais como os casais homoafetivos.

Família informal

A família informal, possui as mesmas configurações da família matrimonial. Entretanto, o casamento entre os pais não possui um registro legal, não foi oficializado o matrimônio. Sendo assim, assumem um caráter informal.

É o caso de famílias em que os pais decidiram viver juntos, sem formalizarem essa união.

Família monoparental

As famílias monoparentais são aquelas formadas por apenas um dos pais e seus filhos.

Mãe e filha, família monoparental
As famílias monoparentais são aquelas em que os filhos são criados por apenas um dos pais

A separação ou morte de um dos pais são as principais causas da monoparentalidade. Estima-se que no Brasil, cerca de 16% das famílias sejam monoparentais.

Família anaparental

A família anaparental é constituída sem a presença de nenhum dos pais (não há parentalidade). Ocorre nos grupos familiares formados apenas por irmãos.

Família reconstituída

As famílias reconstituídas são aquelas formadas a partir da união de casais onde pelo menos um dos cônjuges possui filho(s) de uma união anterior.

Esse tipo de família também é conhecido como multiparental ou família mosaico.

Família unipessoal

Família unipessoal é constituída por apenas uma pessoa. Ocorre no caso de pessoas viúvas ou solteiras que moram sozinhas.

Essa tipificação familiar cumpre uma função, principalmente, jurídica. O entendimento como família torna impenhoráveis os bens necessários para a subsistência da pessoa.

Família eudemonista

As famílias eudemonistas são aquelas onde seus membros estão unidos pela busca à felicidade (do grego, eudaimonia). A base desse tipo de união é a criação de laços afetivos e recíprocos entre seus membros, independente das relações de consanguinidade.

Família eudemonista
A família eudemonista é unida exclusivamente por laços afetivos e a busca pela felicidade de seus membros

Evolução do conceito de família

Com a evolução do conceito de família, o matrimônio e a procriação (filhos biológicos do casal) deixam de ser a questão central.

Todas as relações que se baseiam no afeto, na convivência e no sentimento de união familiar passam a ser compreendidos como família.

Assim, todos os tipos de família, hoje em dia, podem ser identificados com elementos eudemonistas. Os laços afetivos e a busca pela felicidade dos membros são os fatores determinantes para a compreensão do novo conceito de família.

Veja também as diferenças entre:

Pedro Menezes
Pedro Menezes
Licenciado em Filosofia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e Mestrando em Ciências da Educação pela Universidade do Porto (FPCEUP).