Estrofe e verso


Daniela Diana
Revisão por Daniela Diana
Professora licenciada em Letras

O verso e a estrofe são elementos do texto poético. Cada linha de um poema representa um verso, já a estrofe é o conjunto de versos.

Tomemos como exemplo a primeira parte do poema Vou-me embora pra Pasárgada, de Manuel Bandeira:

"Vou-me embora pra Pasárgada
Lá sou amigo do rei
Lá tenho a mulher que eu quero
Na cama que escolherei"

Neste caso, a frase "Vou-me embora pra Pasárgada" é um verso, assim como "Lá sou amigo do rei" é outro verso, e assim por diante. O conjunto dos quatro versos formam uma estrofe.

O que é verso?

Um verso é uma única frase em uma composição poética. É o elemento que define a poesia, em oposição à prosa. Um conjunto de versos com sentido completo chama-se “estrofe”.

Os versos dão ritmo, melodia e métrica a uma poesia. Eles podem ser classificados quanto ao número de sílabas métricas, ou sílabas poéticas, que são diferentes das sílabas gramaticais.

Para exemplificar os versos e estrofes, vamos utilizar o poema Canção de exílio, de Gonçalves Dias. Cada linha desse poema representa um verso.

Minha terra tem palmeiras, (primeiro verso)
Onde canta o Sabiá; (segundo verso)
As aves, que aqui gorjeiam, (terceiro verso)
Não gorjeiam como lá. (quarto verso)

Tipos de versos

De acordo com o número de sílabas poéticas dos versos, temos a seguinte classificação:

  • Monossílabo: uma sílaba poética
  • Dissílabo: duas sílabas poéticas
  • Trissílabo: três sílabas poéticas
  • Tetrassílabo: quatro sílabas poéticas
  • Pentassílabo ou Redondilha Menor: cinco sílabas poéticas
  • Hexassílabo: seis sílabas poéticas
  • Heptassílabo ou Redondilha Maior: sete sílabas poéticas
  • Octossílabo: oito sílabas poéticas
  • Eneassílabo: nove sílabas poéticas
  • Decassílabo: dez sílabas poéticas
  • Hendecassílabo: onze sílabas poéticas
  • Dodecassílabo ou Alexandrino: doze sílabas poéticas
  • Verso Bárbaro: verso com mais de doze sílabas poéticas

O que é estrofe?

Na poesia, uma estrofe é uma unidade dentro de um poema, sendo formada por versos. Nas estrofes, os conjuntos de versos são ordenados de maneira a apresentar uma correspondência métrica com outras estrofes.

Cada conjunto de versos, separados pelas linhas pontilhadas, é uma estrofe. O poema abaixo possui 5 estrofes:

Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá;
As aves, que aqui gorjeiam,
Não gorjeiam como lá.

----------------------------------------

Nosso céu tem mais estrelas,
Nossas várzeas têm mais flores,
Nossos bosques têm mais vida,
Nossa vida mais amores.

----------------------------------------

Em cismar, sozinho, à noite,
Mais prazer eu encontro lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.

----------------------------------------

Minha terra tem primores,
Que tais não encontro eu cá;
Em cismar sozinho, à noite
Mais prazer eu encontro lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.

----------------------------------------

Não permita Deus que eu morra,
Sem que eu volte para lá;
Sem que disfrute os primores
Que não encontro por cá;
Sem qu'inda aviste as palmeiras,
Onde canta o Sabiá.

Tipos de Estrofe

Segundo o número de versos presentes em cada estrofe, temos:

  • Monóstico: estrofe de 1 verso
  • Dístico: estrofe de 2 versos
  • Terceto: estrofe de 3 versos
  • Quarteto ou Quadra: estrofe de 4 versos
  • Quintilha: estrofe de 5 versos
  • Sextilha: estrofe de 6 versos
  • Septilha: estrofe de sete versos
  • Oitava: estrofe de 8 versos
  • Nona: estrofe de 9 versos
  • Décima: estrofe de 10 versos
  • Irregulares: estrofe com mais de 10 versos

E o que é a rima?

Outro elemento do texto poético é a rima. Voltando ao poema Canção de exílio, podemos ver que o segundo verso e o quarto verso de todas as estrofes possuem a terminação das palavras com sons parecidos, como “sabiá” e “lá”, e “flores e amores”.

O uso dessas combinações de palavras que apresentam certa semelhança de som é chamado de rima, sendo usado pelo poeta para tornar a poesia mais musical e sonora.

No caso acima, a rima era utilizada no fim dos versos, chamada de rima externa, mas ela também pode ser usada no interior, sendo a rima interna. O uso de determinados tipos de rima varia de acordo com a intenção do autor e do efeito que ele deseja.

Tipos de rima

Rima alternada ou cruzada (ABAB)

“O poeta é um fingidor. (A)
Finge tão completamente (B)
Que chega a fingir que é dor (A)
A dor que deveras sente.” (B)

(Trecho do poema Autopsicografia, de Fernando Pessoa)

Nesse trecho, a rima ocorre entre versos pares e ímpares, onde o 1º verso rima com o 3º, e o 2º verso rima com o 4º.

Rima intercalada ou oposta (ABBA)

“Hoje, voltas-me o rosto, se ao teu lado (A)
passo. E eu, baixo os meus olhos se te avisto. (B)
E assim fazemos, como se com isto, (B)
pudéssemos varrer nosso passado.” (A)

(Trecho do poema Indiferença, de Guilherme de Almeida)

No exemplo acima, a rima é encontrada entre o 1º e o 4º verso, e entre o 2º e 3º verso.

Rima emparelhada (AABB)

“Aos que me chamam de deputado (A)
Quando nem mesmo sou jurado, (A)
Aos que, de bons, se babam: mestre! (B)
Inda se escrevo o que não preste.” (B)

(Trecho do poema Obrigado, de Carlos Drummond de Andrade)

No trecho desse poema, as rimas são encontradas entre os versos 1º e o 2º e entre o 3º e 4º.

Veja também a diferença entre:

Daniela Diana
Revisão por Daniela Diana
Licenciada em Letras pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) em 2008 e Bacharelada em Produção Cultural pela Universidade Federal Fluminense (UFF) em 2014. Amante das letras, artes e culturas, desde 2012 trabalha com produção e gestão de conteúdos on-line.