Anorexia e bulimia


Juliana Diana
Revisão técnica por Juliana Diana • Professora de Biologia e Doutora em Gestão do Conhecimento
Escrito por Emerson Machado

A anorexia é um distúrbio alimentar em que a pessoa acredita ser gorda, mesmo que esteja dentro da faixa de peso considerada normal para a sua estatura.

Esta obsessão com o peso as faz ver o próprio corpo de maneira inadequada e as leva a tomar medidas extremas para ficarem magras, recorrendo até mesmo à bulimia.

A bulimia é um distúrbio alimentar em que um indivíduo ingere alimentos, geralmente de alto teor calórico, e recorre imediatamente a recursos para evitar o ganho de peso. Podem recorrer à indução de vômito, utilização de laxantes e diuréticos, entre outras ações.

A anorexia e a bulimia são distúrbios alimentares graves, podendo ser fatais. A principal semelhança entre os distúrbios é que ambos os pacientes temem o ganho de peso e recorrem a medidas consideradas não saudáveis ou até mesmo perigosas para evitarem ganhar gordura.

Ambos os casos estão, muitas vezes, relacionados a transtornos mentais, como depressão e transtorno de ansiedade.

AnorexiaBulimia
O que éDistúrbio alimentar em que a pessoa acredita e sente estar acima do peso. Por conta disso, ela decide ter uma alimentação pobre em calorias.Distúrbio alimentar em que a pessoa consome alimentos altamente calóricos e, para evitar o ganho de peso, toma medidas prejudiciais à saúde.
CausasNão existe uma causa única, porém fatores culturais são os mais comuns.Há casos de fatores genéticos, porém fatores sociais como estresse e cobrança sobre padrões de beleza também contribuem para o quadro.
SintomasÍndice de massa corporal muito abaixo do ideal. Alterações fisiológicas no organismo. Ansiedade e depressão.Os mais comuns são indução ao vômito e consumo de laxantes e diuréticos.
TratamentoRetomada de ganho de peso com acompanhamento médico e psicológico.Terapia com acompanhamento médico, nutricional e psicológico.

O que é anorexia?

Chamada simplesmente de anorexia, a anorexia nervosa é um distúrbio em que a pessoa se sente e se vê acima do peso. Isto mesmo que esteja dentro da faixa de peso considerada normal para a sua estatura corporal.

Para alcançar o objetivo de manter a magreza (ou ficar ainda mais magro), os anoréxicos geralmente negam o problema.

Uma pessoa anoréxica ingere poucos alimentos ou escolhem aqueles de baixíssimo teor calórico. E se “perdem o controle” e consomem alimentos de alto teor calórico, são propensos a recorrer à bulimia, outro distúrbio alimentar muito comum entre as pessoas que sofrem de anorexia.

Causas da anorexia

Os cientistas ainda não chegaram a um consenso sobre a origem da anorexia, mas assim como fatores genéticos, fatores culturais podem estar associados ao desenvolvimento da doença. Isto porque em sociedades em que a magreza é valorizada, há mais casos de anorexia.

Ansiedade e depressão também podem estar associadas ao distúrbio. Novamente, ambos estes traços podem ser adquiridos caso a magreza seja o padrão mais aceito e estar acima do peso é algo condenado, gerando um ciclo vicioso que pode acabar causando a anorexia nervosa.

Sintomas da anorexia

Em geral, o índice de massa corporal de uma pessoa com anorexia será mais baixo que 18. Ou seja, está muito abaixo do peso para a sua estatura corporal e idade. Outro sintoma é a prática de exercícios físicos constantemente.

Além disso, uma pessoa com anorexia pode apresentar níveis mais baixos de libido. Algumas mulheres chegam a cessar o ciclo menstrual por conta da doença.

Se os episódios de anorexia acontecerem durante a fase de crescimento do indivíduo, a doença é capaz de provocar sérios danos ou interrupção do desenvolvimento do esqueleto e dos músculos.

A ansiedade e a depressão, mesmo sendo sintomas de várias condições, também podem ser sinais de que alguém sofre de anorexia nervosa, principalmente se estiver muito abaixo do peso.

Tratamento da anorexia

Primeiramente, é necessário fazer a pessoa ganhar peso para que o corpo torne a ficar saudável. Isto porque em casos extremos de anorexia nervosa, pacientes podem perder tanto peso que problemas secundários podem surgir, como osteoporose e infertilidade.

Por isso, é importante devolver o peso saudável aos pacientes anoréxicos. Em complemento, tratamentos para a ansiedade e depressão ajudam a pessoa a lidar com o estigma.

Também é extremamente importante que tenham acompanhamento psicológico. Apesar de a maioria das pessoas apresentar apenas um período de anorexia nervosa durante a vida, alguns casos podem ser recorrentes e, se não forem tratados adequadamente, pode se tornar um problema para a vida toda.

Estátua de mulher magra e gorda

O que é bulimia?

A bulimia, também conhecida por bulimia nervosa, é um distúrbio alimentar. É caracterizada por impulsos por parte do indivíduo em ingerir alimentos (geralmente de alto teor calórico) e imediatamente recorrer a medidas para evitar ganhar peso, como induzir o vômito e utilizar laxantes e diuréticos.

Assim como na anorexia, uma pessoa magra com bulimia se considera gorda, mesmo que esteja dentro do peso considerado normal para a sua estrutura corporal. Por esta razão, também é associada a distúrbios mentais, que podem ter surgido na infância ou até mesmo no decorrer da vida.

Causas da bulimia

Há certo consenso entre os cientistas de que fatores genéticos têm parte entre 30% e 80% dos casos de bulimia. No entanto, estresse psicológico, pressões culturais sobre padrões de beleza, obesidade e falta de autoestima também podem desencadear quadros de bulimia.

Uma pessoa anoréxica também pode recorrer à prática para evitar o ganho de peso. Neste sentido, entram também a ansiedade e a depressão como riscos de se desenvolver bulimia.

Outro fator de risco, principalmente para crianças e adolescentes, é o convívio em uma família que impõe dietas frequentes e se preocupa excessivamente com o peso.

Sintomas da bulimia

Há uma série de sintomas, que podem até mesmo ser confundidos com quadros de anorexia. Como os dois distúrbios podem estar relacionados em alguns indivíduos, pode-se citar que os principais sintomas da bulimia são:

  • Indução de vômito;
  • Exercícios excessivos;
  • Dietas não saudáveis e nunca suficientes;
  • Jejuns;
  • Uso de laxantes, diuréticos e enemas;
  • Procedimentos cirúrgicos e/ou estéticos para a redução de peso.

Tratamento da bulimia

Apesar de muitos pacientes não verem a necessidade de passarem por tratamento, pois não acreditam sofrer do distúrbio alimentar, no caso da bulimia, a terapia-cognitivo-comportamental é o principal tratamento.

No entanto, é necessário o acompanhamento psicológico, psiquiátrico e nutricional. Alguns medicamentos antidepressivos podem ser indicados, mas apenas em casos de extrema necessidade. Estabilizantes de humor também podem ser prescritos.

Entretanto, é de grande importância que a pessoa passe a entender suas emoções e sentimentos com relação ao próprio corpo, lidando com a ansiedade e a depressão, que são fatores para o desenvolvimento do distúrbio.

Veja também a diferença entre:

Juliana Diana
Revisão técnica por Juliana Diana
Licenciada em Ciências Biológicas pelas Faculdades Integradas de Ourinhos (FIO) em 2007. Pós-graduada em Informática na Educação pela Universidade Estadual de Londrina (UEL) em 2010. Doutora em Gestão do Conhecimento pela UFSC em 2019.